A Diretora-Delegada, Teresa Albuquerque, e a Direção da Fundação da Casa de Mateus manifestam a sua profunda tristeza pela morte de Ana Luísa Amaral, nesta sexta-feira, dia 06 de Agosto de 2022, aos 66 anos.

Ana Luísa Amaral. Autora de mais de três dezenas de livros, quer de poesia, quer de teatro, quer de ficção, quer infantis. Traduziu diferentes autores, como Emily Dickinson, William Shakespeare ou John Updike. Os seus livros estão traduzidos e editados em países como Inglaterra, Brasil, França, Espanha, Suécia, Itália, Holanda, Colômbia, Venezuela, México ou Estados Unidos da América. As suas obras mais recentes em Portugal são What’s in a Name (poesia, Assírio & Alvim, 2017) e Arder a Palavra e Outros Incêndios (ensaio, Relógio D’Água, 2017). Os seus mais recentes livros no estrangeiro são Oscuro (trad. Luis María Marina, Zaragoza, Olifante, 2016), The Art of Being a Tiger (trad. Margaret Jull Costa, Dartmouth, UK, 2016 e Tagus Press, USA, 2017) e What’s in a Name (New Directions, USA, 2019). Obteve várias distinções, como a Medalha de Ouro da Câmara Municipal de Matosinhos e a Medalha de Ouro da Câmara Municipal do Porto, ambas por serviços à Literatura, e diversos prémios, entre os quais o Prémio Literário Correntes d’Escritas, o Premio di Poesia Giuseppe Acerbi, o Grande Prémio de Poesia da Associação Portuguesa de Escritores, o Premio Internazionale Fondazione Roma,  ou o Prémio PEN, de Ficção. Tem, com Luís Caetano, um programa semanal na Antena 2 sobre poesia, O som que os versos fazem ao abrir.

Participou das edições dos Seminários de Tradução Coletiva de Poesia Viva de 1997, 1998, 2005, 2007, 2008 e 2019. No ano de 2020, no âmbito da Semana da Poesia, participou com uma entrevista virtual.

Ana Luísa Amaral, venceu, no ano de 2021, o Prémio Rainha Sofia de Poesia Ibero-Americana e, também, é laureada do Prémio D. Diniz.

Entrevista a Ana Luísa Amaral – 11 de Maio de 2020