A Fundação da Casa de Mateus, propõe, ao longo do ano de 2019, apresentar e explicar cada mês documentos representativos das 12 Secções constantes do seu Arquivo.

Secção 07 – Sousa Botelho Mourão e Vasconcelos (1806-1825)

D. José Maria do Carmo de Sousa Botelho Mourão e Vasconcelos é conhecido como o 5º Morgado de Mateus e responsável pela Edição Monumental de Os Lusíadas, de 1817, grande obra na qual se dedicou nos últimos anos de sua vida.

Entretanto, D. José Maria, antes, exerceu importantes funções em serviço do país e o representou em outros países, tendo, por isto, residido em alguns países estrangeiros.

Por morte de seu pai, em 1799, regressou a Portugal para tratar de assuntos familiares. Ocupou-se da organização do arquivo da Casa, reunindo em Gavetas a documentação mais antiga e importante da administração da Casa, prosseguindo o esforço iniciado por seu pai para proteger o património herdado. D. Luís António de Sousa Botelho Mourão tivera a preocupação de fazer vinculação de bens, renovação de prazos e demandas pela posse de vários vínculos, introduzindo um princípio de ordem que D. José Maria continuou ainda em vida de D. Leonor de Portugal. Foi para que se respeitasse este princípio que D. José Maria deixou instruções a seu filho para a administração da Casa: (…) Eis aqui o motivo de fazer-te este papel o qual principia por uma genealogia da nossa família e por mostrar-te o que a Casa adquiriu (…) Daqui virás a conhece-la no seu estado e nos direitos, estes são os fins porque este estudo genealógico é útil ao administrador da Casa (…).

D. José Maria foi um dos primeiros fidalgos a estudar no colégio dos Nobres, usufruindo de toda a experiência e métodos de ensino portugueses do Século das Luzes. Foi um dos primeiros alunos a frequentar a Universidade com as novas reformas implementadas pelo Marquês de Pombal. Entre 1772 a 1778 esteve em Coimbra, no Colégio de São Jerónimo, onde se formou em Matemática.

Após a sua formação académica, foi para Chaves enveredando pela carreira militar onde obteve grande reconhecimento pelo seu brilhante desempenho militar na região de Trás-os-Montes. Foi nomeado no dia 10 de Setembro de 1780 Alferes da 1ª Companhia no Regimento dos Dragões da Cavalaria de Chaves. No dia 24 de Março de 1784 foi nomeado Tenente e em Janeiro do ano seguinte Capitão.

Em 1791 no dia 11 de Julho foi nomeado Conselheiro do Rei e armado Cavaleiro da Ordem de Cristo na Real Colegiada da Igreja de Nossa Senhora da Conceição dos freires da Corte.

No mesmo ano, foi dada confirmação por decreto do dia 30 de Setembro, do título de Ministro enviado à Corte de Estocolmo (Suécia). Na mesma altura, no dia 8 de Outubro, recebeu o benefício de tença de 12 000 réis e com esta nomeação recebe o título de Cavaleiro.

Este será o ponto de partida de uma carreira diplomática imprevista, no entanto verifica-se que em todos os cargos diplomáticos que foi desempenhando em vários países, revelou um especial interesse pelas questões militares. Segundo Anne Gallut, consta que no ano de 1793 se encarregou do comércio da Suécia, expedindo vários despachos com vários detalhes precisos sobre armas, marinha e bancos do mesmo país. Participou em várias missões diplomáticas: em 1795 esteve em Hamburgo, passou pela capital da Prússia, onde permaneceu até 1797, regressando em Julho. Ainda em 1797, foi para Copenhaga (Dinamarca) com o cargo de Ministro Plenipotenciário que desempenhou até Abril de 1799.

Em 1801 foi para Espanha como Embaixador de Portugal em Madrid, onde foi encarregado, juntamente com a Espanha, de negociar a paz entre Portugal e França. Não obteve o sucesso esperado e acabou mesmo por criar alguns dissabores com a Espanha. Depois de muito empenho e esforço, o Morgado de Mateus conseguiu negociar a paz com ambos os países. Nesse mesmo ano foi enviado extraordinário à Corte de Viena de Áustria para tratar dos interesses de Portugal no congresso de Amiens.

Foi nomeado Ministro de Portugal junto do primeiro cônsul Bonaparte, cargo que desempenhou brilhantemente. No entanto, foi a questão do general Lannes, e outras intrigas e invejas de que diz ter sido alvo devido à sua nomeação para a embaixada de Paris, que originou a sua transferência para a corte da Rússia, sendo substituído em Paris por D. Lourenço de Lima. Esta situação levou-o a redigir uma carta ao Príncipe Regente D. João VI expondo os factos de queixa contra os seus inimigos. Não é possível confirmar se esta carta foi enviada ou não, uma vez que o próprio D. José Maria refere que só deve (…) ser entregue nas mais oportunas circunstâncias (…).

Em 1806, quando se encontrava em Berlim, recebeu a notícia que tinha sido admitido como membro da Academia Real das Ciências de Lisboa.

A Fundação da Casa de Mateus apresenta, neste mês de Julho, a Carta patente de D. Maria I, pela qual nomeia D. José Maria do Carmo de Sousa Botelho Mourão e Vasconcelos, para o posto de Capitão do Regimento da Cavalaria de Chaves, que vagou pela promoção de João de Sousa Ribeiro da Silveira Magalhães. da sétima secção (1806-1825) do Sistema de Informação da Casa de Mateus (SICM).

 

1 fl.; 34,8X 43,5 cm; manuscrito sobre papel; assinado; contém selo de armas reais de chapa de papel.

SICM/SSC 06.01 / GAVETA / PAPÉIS HONORÍFICOS / SSSR / MÇ 18.

 

 

 

Documento do mês de Janeiro

Documento do mês de Fevereiro

Documento do mês de Março

Documento do mês de Abril

Documento do mês de Maio

Documento do mês de Junho