A Fundação da Casa de Mateus, propõe, ao longo do ano de 2018, apresentar e explicar cada mês documentos representativos do seu Arquivo.

A Fundação da Casa de Mateus apresenta, neste mês de Setembro, através do seu site, documentos representativos do seu Arquivo. Neste mês apresentamos um documento da Secção 10 (1879-1926) do Sistema de Informação da Casa de Mateus (SICM).

Neste mês apresentamos um recorte de imprensa relativo ao 3º Conde de Vila Real, D. José Luís Botelho Mourão e Vasconcelos, 3º Conde de Vila Real (n. 1843/09/23 – f. 1923/12/09).

 

 

1902, Julho, 11 – Vila Real

Recorte de imprensa intitulado Conde de Vila Real relativo ao 3º Conde de Vila Real, [D. José Luís de Sousa Botelho Mourão e Vasconcelos], chefe do Partido Progressista no distrito de Vila Real, elogiando a sua acção política, com referência aos seus antepassados, publicado no jornal O Progresso do Norte.

2 fls., 35 x 51 cm; impresso sobre papel por Imprensa Moderna. SICM /SSC 10.01 /RECORTE IMPRENSA.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

D. José Luís de Sousa Botelho Mourão e Vasconcelos, 3º Conde de Vila Real casou, no dia 2 de Março de 1867, com D. Teresa Francisca de Melo da Silva Breyner de Sousa Tavares e Moura, 2ª Condessa de Melo, filha de Luís Francisco Soares de Melo da Silva Breyner de Sousa Tavares e Moura, 1º Conde de Melo e de sua mulher D. Frederica Xavier Botelho.

Foram os oitavos e últimos Morgados de Mateus e senhores dos bens da Casa Melo, integrados por casamento. Ficaram, assim, unidos os títulos de Vila Real e de Melo.

Deste casamento nasceram três filhos: Maria dos Prazeres de Sousa Botelho e Melo, Fernando de Sousa Botelho e Melo e Maria Teresa de Sousa Botelho e Melo.

A documentação deste casal que se conserva no Arquivo da Casa de Mateus dá-nos elementos sobre a administração da Casa no seu tempo, constituindo um importante núcleo para o conhecimento e estudo da cidade de Vila Real. Entre o acervo documental dos 3os Condes de Vila Real encontramos documentos que referenciam acontecimentos sociais e culturais da época, realizados em Vila Real e não só, além de plantas de edifícios na cidade de Vila Real e recibos de lojas existentes essencialmente na Rua Direita.

Ainda sob a administração de sua mãe, em 1870, o 3º Conde de Vila Real foi responsável pela construção do ramal da Estrada de Abambres até ao Palácio de Mateus. Pagou pela expropriação de diversos terrenos para que a estrada pudesse ser construída.

A correspondência trocada com a Real Companhia Vinícola e a Liga dos Lavradores do Douro, de que o 3º Conde de Vila Real era sócio, evidenciam o papel da Casa de Mateus na região demarcada do Douro.

O arquivo da Casa possui um grande acervo fotográfico em bom estado de conservação, sendo possível identificar no mesmo várias figuras da nobreza de Portugal e do estrangeiro e diplomatas que privavam com os 3os Condes de Vila Real.

Em 1906 os 3os Condes de Vila Real receberam no Palácio de Mateus o Rei D. Carlos. A presença do rei em Trás-os-Montes, com visita a Sabrosa, foi noticiada pela imprensa da época, tendo sido organizado no dia 9 de Agosto um almoço no Palácio de Mateus em homenagem ao Rei, em que estiveram presentes, entre outros, os Condes de Mangualde.

Em 1911 a Casa de Mateus foi classificada monumento nacional. Sabe-se que os 3os Condes de Vila Real fizeram alterações no Palácio, no entanto os estudos realizados não nos permitem ainda identificar o seu contributo.

O 3º Conde de Vila Real morreu no dia 9 de Dezembro de 1923, recaindo a responsabilidade da administração da Casa na sua mulher e no seu filho D. Fernando. Nessa altura, a Rainha D. Amélia envia-lhe uma carta de pêsames, lamentando o desaparecimento de (…) mais um dedicado, mais um Amigo (…) .

Além dos filhos legítimos que teve de sua mulher, o 3º Conde de Vila Real teve ainda quatro filhos ilegítimos, três rapazes e uma rapariga, de Júlia Maria, uma serviçal da Casa dos Condes de Vila Real. Após a morte do 3º Conde de Vila Real, e tendo a filha ilegítima falecido, os três filhos ilegítimos: José Joaquim Pereira, nascido em 1896, Joaquim Álvaro Pereira, nascido em 1897, e Manuel Joaquim Pereira, nascido em 1904, exigiram em tribunal a parte que lhes cabia na herança do pai.

Foi baptizado em Lisboa no dia 24 de Setembro de 1843 tendo sido seu padrinho o 1º Conde de Vila Real, seu avô, e madrinha a Baronesa de Almeirim, D. Luísa Braamcamp.

Em 1861 recebeu mercê de D. Pedro V das Honras de Oficial Mor da Casa Real e mais tarde, em 1858, do título de Conde de Vila Real.

Era um adepto da prática desportiva, sócio do Jockey Club Portuense e da Real Associação Naval, dedicando-se também ao tiro aos pombos.

Em 1898, altura em que desempenhava o cargo de Governador Civil do Distrito de Vila Real, foi nomeado Par do Reino pelo Rei D. Carlos.

Em 1886, 1897 e 1907 ocupou o cargo de Governador Civil do Distrito de Vila Real, tendo recebido inúmeras cartas de felicitação. Numa dessas cartas, enviada por José da Nóbrega, pode ler-se: (…) O distrito há-de a seu turno folgar pela acertada escolha de V. Ex.ª para tão eminente lugar, porque vê em V. Ex.ª o centro da unidade que se deve imprimir ao partido de todo o distrito (…).

As suas ligações ao Partido Progressista, do qual se diz que foi chefe local, evidenciam-se na correspondência recebida de vários locais em Trás-os-Montes informando-o da situação do partido.

Teve cinco irmãos: Maria Inácia de Sousa Botelho Mourão e Vasconcelos, Isabel de Sousa Botelho Mourão e Vasconcelos, Maria Amália de Sousa Botelho Mourão e Vasconcelos, Alexandre de Sousa Botelho Mourão e Vasconcelos e Anselmo de Sousa Botelho Mourão e Vasconcelos.

Embora se desconheçam as datas precisas de nascimento e morte de seus dois irmãos, as cartas que trocavam com o irmão e a mãe dão-nos algumas pistas da vida que ambos levaram. Alexandre de Sousa Botelho Mourão era afilhado do 3º Conde de Vila Real. Pelas cartas que dirigia ao irmão percebe-se que havia uma questão familiar por resolver. Numa dessas cartas, de 1873, conta ao irmão que voltou a estudar matemática, desta vez por sua conta. Terá falecido em 1910. Do seu outro irmão, Anselmo de Sousa Botelho Mourão e Vasconcelos, conservam-se as cartas que enviava a sua mãe e ao 3º Conde de Vila Real. É através do conteúdo das mesmas que sabemos que em 1868 esteve em Paris com a mãe e a irmã Isabel, contando ao irmão todos os passeios e compras que as duas faziam. Na mesa carta, diz ainda que passou nos exames e obteve um prémio. Numa outra carta, escrita a 7 de Setembro de 1969, na cidade Coimbra, pede ao irmão que lhe desculpe a preguiça, o que nos leva a pensar que estudava na universidade daquela cidade. Além das suas cartas é possível encontrar no Arquivo da Casa de Mateus um drama em texto dactilografado intitulado A Pérfida Gabriella da autoria de Anselmo de Sousa, que este terá enviado a seu irmão.

Documento do Mês de Janeiro

Documento do Mês de Fevereiro

Documento do Mês de Março

Documento do Mês de Abril

Documento do Mês de Maio

Documento do Mês de Junho

Documento do Mês de Julho

Documento do Mês de Agosto

Documento do Mês de Setembro