A carregar Eventos

Lugar Comum, exposição da autoria de Joaquim Moreno e Ivo Poças Martins, investiga, a diferentes escalas, as relações que a Fundação da Casa de Mateus estabelece com o seu contexto urbano imediato, a Cidade e a Região, com um destaque para as formas de mobilidade suave, física e conceptual, entre pontos estratégicos. A partir de alguns casos de estudo, pequenos laboratórios ecológicos, patrimoniais, sensoriais e culturais, a exposição interroga os territórios físicos e conceptuais em que se move a Fundação da Casa de Mateus e a sua relação com a urbanidade envolvente.

«Como dar futuro ao passado é a pergunta essencial do património, como comprometer o presente com o legado ao futuro, como cuidar do passado que temos responsabilidade de fazer durar para lá de nós.

O património é sempre um lugar comum, uma responsabilidade partilhada que se desdobra em constelações de escalas, territórios, saberes e práticas. Mateus é uma constelação que agrega Música, Arte, Tecnologia, Enologia, Universidade e Saber, numa figura que depende tanto da sua articulação interna como das relações com o território em que se desenha.

Esta exposição procura dar forma a este diálogo com o território e com os seus agentes: desde a mobilidade suave e os circuitos lentos entre Mateus, Vila Real e a UTAD, passando pelos acessos e circulação rodoviária, até à sombra fresca de um túnel de cedros ou ao aroma do pomar que invade o recolhimento do estudo.»

Joaquim Moreno

 

A exposição esteve patente nos espaços da Fundação da Casa de Mateus entre Junho de 2019 e Janeiro de 2020. Foi exibida, entre Janeiro e Fevereiro de 2020, nos Claustros dos Paços do Concelho de Vila Real. Pode ser consultada integralmente aqui.

 

O estudo sobre as envolventes urbanas do perímetro da Fundação da Casa de Mateus articula-se com o desenvolvimento do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano de Vila Real, e em particular com a Estruturação do eixo ciclável do centro da cidade – UTAD e Centro Comercial – Mateus.