1722-1822-1922-2022

APRESENTAÇÃO

 

Luís António de Sousa Botelho Mourão, 4º Morgado de Mateus, nascido em 1722, é um homem do séc. XVIII, comprometido com o pensamento iluminista e com as transformações sociais, políticas e culturais que traz consigo. D. Leonor Ana Luísa de Portugal Sousa Coutinho, neta do 1º Conde de Redondo, nasce também ela em 1722 e cresce junto da Corte. Juntos, abrem caminhos novos, inventam formas para um mundo em mudança, um mundo barroco em que a distância entre a arte e a vida se diluía.

Em 2022, comemoramos os 300 anos destas duas personagens essenciais para a história da Casa, envolvidas em períodos determinantes da História de Portugal. Entre aquele momento, trezentos anos atrás, e os dias que correm, encontramos um mundo de realizações, uma pegada consistente na História, uma maneira de ser que fez deste património material e humano um ativo permanente para o país e mais além. Procurando na homenagem e no legado as linhas da memória que escrevem o futuro, o programa centra-se na relação com o Brasil, recuperando marcos históricos determinantes como a refundação da Capitania de São Paulo, em 1765, por D. Luís António, a Independência do Brasil, em 1822, a Semana de Arte Moderna, em 1922, explorando os seus impactos na cultura e nas relações entre os dois países.

O programa iniciou-se ainda em Dezembro de 2021, com o colóquio internacional “Revisitar e inovar: acervos e novas frentes de pesquisa sobre o período do governo do Morgado de Mateus no Brasil Meridional (1765-1775)” – iniciativa conjunta da UNESP e da Fundação da Casa de Mateus, coordenada pela Prof. Denise Moura e o Serviço do Arquivo da Fundação, na qual se estenderam múltiplas linhas de investigação a desenvolver nos próximos anos.

No dia 18 de Abril de 2022, Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, inaugurámos a exposição “Mateus/São Paulo | D. Luís António e D. Leonor, 300 anos”, percurso documental e museológico que nos dá a ver o percurso do casal desde imediatamente antes da partida para o Brasil até imediatamente depois do seu regresso.

No dia 18 de Maio, Dia Internacional dos Museus, tomámos a exposição como pretexto e ponto de partida para uma visita temática à Casa de Mateus, partindo das personagens de D. Luís António e D. Leonor para melhor compreender um arco histórico que se prolonga do séc. XVII ao séc. XX.

No dia 19 de Junho, o agrupamento Americantiga, dirigido pelo Maestro Ricardo Bernardes, com uma longa história de relação com a Fundação na exploração dos repertórios barrocos, apresenta, na Igreja da Ordem Terceira de São Francisco, em Curitiba, o concerto “Campos de Curitiba”. No mesmo sítio de onde partiram muitas das expedições ordenadas por D. Luís António, ouviremos obras instrumentais italianas e portuguesas, obras do repertório da Ópera de São Paulo e, em estreia moderna, um dos andamentos da missa de Bernardino José de Sena, compositor em atividade em São Paulo nos tempos do Morgado, que virá a ser mestre de capela em Paraguaná, já nos finais do séc. XVIII.

No dia 7 de Setembro, assinalamos o Grito do Ipiranga, declaração de independência do Brasil pelo que viria a ser o 1º Imperador do Brasil. Nessa mesma noite, D. Pedro, o 1º do Brasil e 4º de Portugal, desce a São Paulo e comemora, na Casa de Ópera construída décadas antes por D. Luís António, o nascimento de uma nova nação: depois do novo Hino, escrito e tocado ao piano pelo próprio D. Pedro, ouvem-se poemas nacionalistas e, no fim, assiste-se a ‘O Convidado de Pedra’, de Tirso de Molina, essa espécie de aviso contra a soberba. Retomando a peça e propondo a voz informada de Rui Vieira Nery, procuramos as linhas de aproximação e de divergência de uma grande cultura em pleno nascimento, que há-de atingir um dos seus apogeus cem anos mais tarde, com a Semana de Arete Moderna de São Paulo.

Ainda em 2022, ou a transbordar para os anos seguintes, outros projetos ainda em semente, nascerão, completando o olhar sobre estas duas personagens fascinantes, protagonistas de um tempo de profundas transições.

 

NOTÍCIAS

 

13-18 de fevereiro de 2022

 


Semana da Arte Moderna em Mateus (1922 – 2022)
Carlos Drummond de Andrade foi um dos influenciados pelo Modernismo no Brasil em 1922 e as suas obras lhe renderam muitos prémios, dentre eles o raro Prémio Morgado de Mateus de 1980. A Semana da Arte Moderna foi promulgada por vários artistas, especialmente Mário de Andrade e, em sua homenagem, publicamos duas de suas poesias do livro Pauliceia Desvairada.

 

 

 

 

21 de fevereiro de 2022

 

300 Anos do nascimento de D. Luís António de Sousa Botelho Mourão
(1722 – 1922)

Há exatos 300 Anos, no dia 21 de fevereiro de 1722, nascia D. Luís António de Sousa Botelho Mourão na Vila de Amarante, onde também foi baptizado no dia 13 de Abril do mesmo ano na Igreja de São Gonçalo, conforme a sua Certidão de Baptismo.

 

 

 

Conclusões do Colóquio Revisitar e Inovar (1722 – 2022)

No dia 21 de fevereiro, data em que se comemora os 300 anos de D. Luís António, divulgamos as conclusões do colóquio “Revisitar e inovar: acervos e novas frentes de pesquisa sobre o período do governo do Morgado de Mateus no Brasil Meridional (1765-1775)” – iniciativa conjunta da UNESP e da Fundação da Casa de Mateus, coordenada pela Prof. Denise Moura e por Ricardo Mingorance , arquivista da Fundação, realizada no dia 7 de dezembro de 2021.

 

 

Duas vidas em 22 peças: D. Luís António e D. Leonor de Portugal  (1722  -1922)

D. Leonor e D. Luís António nasceram ambos em 1722 e casaram-se em 1756 com 34 anos de idade. Representaram o 4º Morgadio de Mateus e preservaram um acervo documental, bibliográfico e material que compõe o Museu da Fundação da Casa de Mateus. Em homenagem, ao longo do ano de 2022, apresentaremos 22 peças que nos contarão a história do casal no seio da vida familiar, política, social, militar, religiosa e cultural.